domingo, 23 de junho de 2013

Pois de amor andamos todos precisados, em dose tal que nos alegre, nos reumanize, nos corrija, nos dê paciência e esperança, força, capacidade de entender, perdoar, ir para a frente. Amor que seja navio, casa, coisa cintilante, que nos vacine contra o feio, o errado, o triste, o mau, o absurdo e o mais que estamos vivendo ou presenciando." Carlos Drummond de Andrade

Ouvindo o mestre na dor, desdolori ...

O choro, limpa e lava a Alma. Acalma a tristeza contida. De quem partiu e foi embora. E na espera de que voltes, escrevo. Minhas dores de ausências. Dos jeitos, dos dizeres, do tocares. Fica a leve brisa do adeus aos meus dias. E espero que quando voltares inteira. Traga também histórias de amores partidos. Divida sua dor comigo e tratemos as feridas. As profundas chagas ficadas na Alma. Quando na mais absoluta calma, partistes. E deixando o suave e acre sopro do adeus. Levando histórias dos mais lindos sonhos meus. Em que acordado, espero que voltes. E traga a Luz que tanto preciso pra continuar. E nunca mais morrer de tanto Amor.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

vida de gado-amém-sim senhor

Queria dizer algo de bom nesta noite fria ouvir um som bom vinho para a ceia esta teia me embaraça e na vidraça da janela televisiva a ordem civil está em guerra o que se passa nesta terra parece a divina comédia e na tragédia global o povo se rebela revela desmandos violentos seca mente desce o vinho e o som de bombas detonando a sangria mancha as ruas de sampa a tv ou o vinho embaralham minha mente e de repente brindo o abre olhos o povo adormecido acordou e agora segura o gado marcado os vinténs que faltavam, transbordaram e a noite esquentou as cabeças que agora se rebelam e querem justiça que se não existe, é o povo quem faz como gol de mão no minuto derradeiro das balas de borracha e bombas doloridas e truculentas a comemorar a dor de um povo servil que acordado está pobre de mim sangue de boi.

FICAR A PÁTRIA LIVRE DAS INJUSTIÇAS, PRA VIVER BEM NO BRASIL

" O QUE ME CAUSA ADMIRAÇÃO, É QUE MUITA GENTE DO FINADO PT, AINDA FICA EM CIMA DO MURO E NÃO SAI NAS MANIFESTAÇÕES CONTRA O DESMANDO NACIONAL, ACHANDO QUE AINDA DEVEM PRESERVAR A BOQUINHA QUE CONSEGUIRAM AO TOMAR O PODER E AGIR IGUAL AOS ANTECESSORES, EM TOTAL DISCREPÂNCIA COM OS IDEAIS ANTIGOS DAQUELE PARTIDO POLITICO, QUE ERA DE JUSTIÇA SOCIAL E IGUALDADE ENTRE AS MASSAS. MASSAS ESTAS QUE ELES TRANSFORMARAM EM MASSA DE MANOBRA COM SEUS FALSOS AUXÍLIOS (CABRESTOS POLÍTICOS) IGUALZINHO AOS ANTIGOS POLÍTICOS QUE ELES (PT) TANTO COMBATIAM. IGUALZINHO NÃO, PIOR, MUITO MAIS APRIMORADO NA MALANDRAGEM. VALHA-ME MINHA NOSSA SENHORA APARECIDA OS CARAS SE SUPERARAM E ESTÃO FICANDO PIOR QUE ANTES, TUDO PELO PODER. HOJE PENSO ASSIM, AMANHÃ PODERÁ SER DIFERENTE E COMO JÁ DIZIA O MESTRE CHICO "AMANHÃ VAI SER OUTRO DIA". E ESPERO SIM DIAS MELHORES NESTE LINDO PAIS QUE TEM O POVO MAIS LINDO DO MUNDO, E ASSIM SERÁ !!!" VIVA O POVO BRASILEIRO POIS ELE É O BRASIL QUE TANTO AMO !!!!

Simplesmente bela!!

sábado, 15 de junho de 2013

"É fácil amar o outro na mesa de bar, quando o papo é leve, o riso é farto, e o chope é gelado. É fácil amar o outro nas férias de verão, no churrasco de domingo, nas festas agendadas no calendário do de vez em quando. Difícil é amar quando o outro desaba. Quando não acredita em mais nada. E entende tudo errado. E paralisa. E se vitimiza. E perde o charme. O prazo. A identidade. A coerência. O rebolado. Difícil amar quando o outro fica cada vez mais diferente do que habitualmente ele se mostra ou mais parecido com alguém que não aceitamos que ele esteja. Difícil é permanecer ao seu lado quando parece que todos já foram embora. Quando as cortinas se abrem e ele não vê mais ninguém na plateia. Quando o seu pedido de ajuda, verbalizado ou não, exige que a gente saia do nosso egoísmo, do nosso sossego, da nossa rigidez, do nosso faz-de-conta, para caminhar humanamente ao seu encontro. Difícil é amar quem não está se amando. Mas esse talvez seja, sim, o tempo em que o outro mais precisa se sentir amado. Eu não acredito na existência de botões, alavancas, recursos afins, que façam as dores mais abissais desaparecerem, nos tempos mais devastadores, por pura mágica. Mas eu acredito na fé, na vontade essencial de transformação, no gesto aliado à vontade, e, especialmente, no amor que recebemos, nas temporadas difíceis, de quem não desiste da gente." Ana Jácomo

Lembrando uma época da minha vida!!